Foram muitas as iniciativas e ações beneméritas do ilustre lousanense João Elisário de Carvalho Montenegro, em Espírito Santo do Pinhal e em Lousã, sua terra natal. Defensor de ideias liberais e humanitárias, ele era um autodidata cercado por livros. Relacionava-se igualmente com pessoas comuns e expressivas do cenário cultural, político e económico do Brasil e de Portugal, como escritores, jornalistas e lideranças políticas.

Ao longo da vida, João Elisário não mediu esforços para o bem estar da população da Lousã e de Pinhal. Foram inúmeras iniciativas culturais e de benemerência nos dois países. Em destaque ações em prol das Santas Casas de Lousã e Pinhal, nas quais teve seu retrato afixado, e para a Beneficência Portuguesa de São Paulo e o Asilo de Mendicidade.

Homem extremamente religioso e caridoso, declarou em seu testamento de 1914 como queria ser sepultado: “O meu enterro será feito modestamente, indo o meu corpo em caixão simples, sendo sepultado no cemitério em sepultura rasa, coberta com pedra para receber a simples e indispensável inscrição”. Ao falecer, em 08 de maio de 1915, com 91 anos incompletos, foi sepultado com simplicidade, como desejava, no Cemitério Municipal de Espírito Santo do Pinhal. A sua sepultura espartana contrastava com o luxuoso túmulo do Barão de Mota Paes, figura de destaque da cidade. Como última homenagem, uma multidão acompanhou o seu enterro.

O túmulo do Comentador Montenegro, que estava abandonado, foi restaurado em 2020 pelos pinhalenses D. Yvone Neves Martins e seu filho Roberto Vasconcelos Martins. Em respeito à última vontade do Comendador, eles mantiveram suas características de piedade e simplicidade. Uma placa de bronze destacando traços biográficos do ilustre cidadão foi confeccionada e afixada na edificação. O gesto foi uma justa homenagem à memória do benemérito “cidadão português que muito honrou nossa amada Espírito Santo do Pinhal, em terras brasileiras, e a quem devotamos um grande espírito de gratidão”.

D. Yvone faleceu em 31 agosto último e também foi sepultada em Pinhal. Ela muito ajudou seu filho Roberto nas pesquisas e na preservação da memória das antigas famílias portuguesas de Pinhal. Como a do Comendador João Elisário de Carvalho Montenegro, o ilustre cidadão que Espírito Santo do Pinhal teve a honra de abrigar.

Autor: Sónia Freitas, no Brasil

Fotos: reprodução de publicação alusiva ao restauro de autoria de Roberto Vasconcelos Martins.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por admin
Carregar mais artigos em Crónica

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Mulher que vieste de longe – Joanne Gribler

Ouvir Maria Laranjeira O lugar continua lá! Mas a abóbada (Dome) há quatro anos que só tem…