Onofre Varela

«Quando diverges de mim não me empobreces, enriqueces-me» (Saint-Exupéry)

Quando, em 1997, iniciei o movimento que conduziu à formação da Associação Ateísta Portuguesa (AAP), estava longe de supor haver tantos modos de se ser ateu, como maneiras há de se ser religioso e de cozinhar bacalhau. 

Em regra, todos nós temos tendência para negar tudo quanto não encaixe no nosso modo de ver, excluindo da lista dos amigos aqueles que pertencem à “espécie rara” de não comungarem dos nossos pensamentos, das nossas convicções e das nossas certezas… repudiando-os, até, quando não abraçam as nossas crenças. 

Se há uma matriz que identifique um religioso ou um ateu, ela é, apenas, a de se ser, ou não, crente em Deus. Para além desta simples bitola, há vários modos de crer e de não crer, e nenhum deles, por si só, permite aferir o nível da qualidade humana daquela pessoa. 

Estas diferenças, das quais não me apercebia, comecei a notá-las a partir da primeira reunião com os aderentes à ideia de se congregar os ateus numa associação nacional que os representasse, e que responderam a um anúncio que publiquei no Jornal de Notícias em Abril de 1997 (há um quarto de século!). 

O primeiro aderente (e mentor da criação da AAP, já que a ideia surgiu na primeira conversa que mantive com ele, antes de publicar o anúncio) foi Manuel Paiva, homem que, então, já contava mais de 90 anos de vida. Mostrou-se frontalmente contra a ideia da legalização do aborto voluntário, colocando-se ao lado da Igreja na defesa do embrião da vida, não admitindo a liberdade de a mulher pôr fim a uma gravidez! Mais ainda… impediu que se atribuísse a José Saramago a qualidade de sócio honorário da AAP… pelo facto de o escritor ser comunista!… 

Depois notei que aquele fundamentalismo caracterizador de alguns religiosos, também tinha lugar no pensamento de alguns ateus; a certeza de serem detentores de todas as verdades, desrespeitando ideias contrárias. Verifiquei, ainda, o desprezo e a postura xenófoba que alguns (pouquíssimos…) demonstravam ter por atitudes puramente étnicas, como o modo de vestir e de rezar de outros povos não europeus, como que se os europeus (e os ocidentais) fossem a fina-flor da Humanidade!… 

A minha virgindade na apreciação dos meus correligionários era constantemente violada pelas observações que fazia naquelas primeiras reuniões, obrigando-me a alterar, constantemente, o modo de entender as coisas que ao Ateísmo e à Religião pertencem, numa espécie de curso rápido, aprendendo a pautar a qualidade das pessoas, não pela superficial camada visível de serem crentes ou descrentes, mas pelas suas condutas sociais, pelas motivações que os conduziam à crença ou à descrença, e também pelos seus discursos comparando-os com as suas acções.

Em todas as classes sociais, em todos os partidos, em todas as religiões e em todos os grupos de futebol, sejam de bairro ou da primeira divisão, há boas e más intenções, boas e más práticas e boas e más pessoas. O rótulo que se cola a quem pensa de modo diverso de nós, não passa de preconceito estúpido e saloio.

Para usar termos que os religiosos compreendem muito bem, direi que de entre gente de muita fé em Deus e que papa hóstias em todas as missas, “há quem tenha a alma a arder no inferno”… e que de entre os mais empedernidos ateus… “há quem raie a santidade”. 

(O autor escreve sem obedecer ao último Acordo Ortográfico) 

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por admin
Carregar mais artigos em Crónica

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Lousã perde contra Santarém e falha final do campeonato da 1.ª divisão

Decorria o minuto 32, com os lousanenses a vencerem por 3-0 a equipa de Santarém quando a …