Sepultura com meio século profanada mas lousanense manda recompor

Quando projectávamos o avanço para esta série de percursos por memórias lousanenses da Guerra Colonial, ponderámos cuidadosamente acerca do melindre do tema. E delineámos um trilho em dois sentidos: um, dando voz aos que voluntariamente aceitam partilhar com os leitores as suas experiências numa guerrilha lamentável em que não desejaram participar, mas para a qual foram empurrados por um regime político anacrónico que tinha uma visão muito vesga e ultrapassada do que são fronteiras, territórios e direitos.

José Oliveira

Saiba mais na edição impressa do Trevim n.º1457

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por admin
Carregar mais artigos em Nos Trilhos da Memória

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Dia 26 votamos em três boletins

Serão apresentados três boletins de voto ao eleitor: um branco para a Assembleia de Fregue…