João Bernardo Lopes

Como referi na minha crónica anterior D. Ferrolho era uma pessoa  extrovertida, mas humilde e com um enorme prazer em conversar.

Daí, as suas confidências sobre o trabalho exercido com S. Machel, designadamente, sobre as suas peripécias, provocadas por ambos na condução das macas ao longo dos corredores  do  hospital da ex-Lourenço Marques.

Em conversas anteriores já me havia dito que tinha una filha casada com um diplomata Americano e que o casal  deslocar-se-ia,  num tempo próximo, em serviço oficial, a Rabat, capital de Marrocos  e, assim sendo, convidavam a mãe e sogra para se encontrarem  naquela cidade Africana.        

Estava eufórica com o convite e, obviamente, por se encontrar com sua filha e genro que não via  há um bom par de anos. Conversa puxa conversa e eis senão quando me faz a oferta de um presente a adquirir por si naquela cidade.

Já por várias vezes havia manifestado o desejo de me presentear, mas eu delicadamente recusava, mas sempre com receio da ofender na sua sensibilidade, dizendo-lhe que a  minha Administração me pagava para a servir.

Mas, se em outras ocasiões consegui demovê-la, parecia-me que era desta que não alcançaria  fazê-lo e lá teria de lhe aceitar algo que lhe satisfizesse o seu ego.        

E a conversa continuava sem saída, até que tomei a iniciativa e lhe lancei o repto, dizendo-lhe…D..Maria já que o seu desejo é tão forte e eu não quero contrariar a sua vontade, aceito-lhe uma pasta executivo de pele de camelo.

Respondeu-me… não sabe o quanto fico feliz em lhe oferecer essa pasta, e tenha a certeza  que a vai receber.

Despedimo-nos cordialmente e eu fiquei expectante quanto ao próximo encontro. Qual não foi o meu espanto e desilusão, não pela  recepção  duma simples pasta, mas sim pela perda de uma pessoa amiga, simpática, confidente e duma amabilidade contagiante É que passados  uns vinte dias apareceu ao balcão dos serviços, um casal portador de um cartão meu, que se identificou como sendo familiares da D.Maria Ferrolho, informando-me que sua mãe e sogra havia falecido repentinamente em Rabat.

Logo eram portadores da respectiva certidão de óbito, desejando regularizar a sua situação  fiscal. Sem levantar o véu sobre a conversa havida entre mim e a falecida, chamei o funcionário da pasta  e dei-lhe instruções para instaurar o processo do im posto sucessório, de forma que ficasse documentado para ser de imediato concluído.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por admin
Carregar mais artigos em Opinião

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Respirar pode ajudar a gerir as emoções das nossas crianças?

"Ensino Remoto de Emergência 2.0 em segurança!", uma opinião de Melanie Magalhães …