Os mais atentos já terão visto que a Borragem está por aí a surgir, nos campos e bermas de estrada. É o anúncio de uma primavera que, esperemos, nos traga também ela (mais) coragem para enfrentar os tempos difíceis que vivemos.

As propriedades medicinais tradicionais mais conhecidas desta planta estão sobretudo relacionadas com afeções da pele e com afeções do sistema respiratório. Ela tem uma importante ação anti-inflamatória, refrescante e emoliente, exercendo um efeito calmante sobre a pele. É útil, por exemplo, nos casos de pele seca, de pruridos, eczemas e psoríase. Ajuda ainda nas mucosas inflamadas, designadamente as do sistema respiratório, sendo por isso útil para tratar a tosse. Mas não só. Ela pode contribuir para tratar flebites, que são coágulos nas veias que provocam inchaço, vermelhidão e dor no local afetado. A Borragem também é muito útil para mitigar sintomas pré-menstruais e sintomas da menopausa (como por exemplo, os afrontamentos). Há várias referências à sua aplicação nos casos de reumatismo, gota e litíase biliar (a chamada pedra na vesícula), pela sua ação diurética. É aconselhável procurar as preparações à base de Borragem em ervanárias.

Esta é uma das minhas plantas medicinais favoritas. É de uma beleza extraordinária. O azul forte das suas flores destaca-se em qualquer terreno. É normal haver uma concentração de várias plantas no mesmo local, o que faz com que a cor azul forte das flores misturada com os inúmeros pelos espalhados no caule e nas folhas (pelos muito finos e muito juntos) invoquem, ao meu olhar, algo misterioso. É como se criassem um cenário de sonho, desfocado por uma névoa aparente, mas de uma beleza muito especial. É como se se juntassem para criar uma atmosfera própria, onde se poderia respirar um ar diferente (metaforicamente falando, claro).

E porquê a referência à coragem? Consta que a Borragem, desde pelo menos a Idade Média, era utilizada para combater a melancolia – que hoje em dia se pode designar por estados depressivos. Ela oferecia coragem e ânimo. As donzelas bordavam a flor da Borragem nos lencinhos que ofereciam aos cavaleiros que partiam em combate. Ora, a origem da palavra coragem está na palavra “coeur”, que é coração em francês. Por isso, eu gosto de pensar que a Borragem desperta algum tipo de força no nosso coração, força que nos dá ânimo para prosseguir com a vida. Talvez a mesma força que faz com que as suas raízes estejam tão bem conectadas ao solo, e com que as suas flores se virem para baixo quando totalmente abertas, como se nos convidassem a ver mais fundo, dentro de nós, nos nossos corações e nas nossas próprias raízes!…

Oh Borragem, agora mais do que nunca, dá-nos a todos coragem!

Sandra Pedroso Simões – Especialista de Marketing, Comunicação e Customer Experience, com formação em Fitoterapia.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por admin
Carregar mais artigos em Opinião

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Respirar pode ajudar a gerir as emoções das nossas crianças?

"Ensino Remoto de Emergência 2.0 em segurança!", uma opinião de Melanie Magalhães …