Episódios de Vida

João Bernardo Lopes

Depois de colocado no concelho de Pampilhosa da Serra, após novo concurso para a 3.ª classe e preterido na minha colocação em Góis, já que preteria o meu colega ali colocado, acabei por vir a ocupar a nova vaga, deixada por ele passado ano e meio.

Nesse tempo não valia a pena recorrer dessa preferência, tanto mais que os tribunais demorariam mais de dois anos a decidir e ela seria resolvida nesse espaço de tempo, o que efetivamente aconteceu.

Nos referidos concelhos estive cerca de três anos e meio, mas na chefia de Góis exerci durante catorze meses as funções com a categoria de 2ª classe, dado que fui promovido depois de ter feito concurso no Porto.

A razão principal desta situação deve-se ao facto de nenhum funcionário chefiar serviços com a categoria superior, sem antes ter chefiado durante três anos na categoria inferior. Completos os três anos, deslocaram-me para a subchefia de Mafra, concelho de 1ª classe, que comportava ao tempo no seu quadro um funcionário de chefia de 1ª classe (chefe) e um de 2ª (subchefe). O quadro da Repartição demorou algum tempo a compor-se e daí eu ter de chefiar uma 1ª classe, até que para ali fosse nomeado o titular do lugar.

Foi durante esta situação que veio a acontecer o 25 de Abril de 1974 que, confesso, não me apanhou desprevenido, só não sabendo quando se realizaria. Passado algum tempo da intentona das Caldas da Rainha, estava a jantar com colegas num restaurante fora da cidade, onde se encontravam também alguns militares fardados e no televisor da sala falava Marcelo Caetano, com a sua habitual rubrica “conversas em família”.

Um dos meus colegas mais atrevido, lançou uma “boca provocatória” ao afirmar, alto e bom som: é hoje que ele vai pedir demissão. Os militares entreolharam-se, riram-se, mas não comentaram.

Daí a pouco tempo, dirigia-me para a Repartição por volta das nove horas e sou abordado por pessoa amiga, natural da cidade, que me alertou de uma revolução em Lisboa. Ouvi silencioso e segui o meu caminho, sem que alguém me incomodasse, mas à tarde e, por toda a cidade, as pessoas eufóricas comemoravam o acontecimento, com saneamentos à mistura.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por admin
Carregar mais artigos em Opinião

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Episódios de vida – Samora Machel e a Srª D. Maria Ferrolho

"Episódios de vida", uma crónica de João Bernardo Lopes …