Era uma vez um grupo de Pedros da Lousã, que há um ror de tempo ansiavam  desfilar de arco e balão pelas ruas da vila na noite do seu santo onomástico. Especialmente porque queriam mostrar quer “não era por pirraça que não iam bailar na Praça”, como era cantado nos versos da marcha dos Antónios:

É o dia dos Antónios

(a seguir são os Joões),

E os Pedros, por pirraça,

não querem bailar na Praça

com foguetes e balões.

Eles até queriam. Mas eram tão poucos…                                                                            

Inspirados, seguramente, pelas marchas que, nesse tempo, desfilavam em Lisboa nessa quadra festiva, os Antónios foram quem inaugurou na vila da Lousã um ciclo de marchas populares em meados do século passado. Com o valioso contributo dos saudosos e queridos lousanenses, o poeta António Victor e o músico e compositor João Poiares Malta. Acontecimento que, noticiado no “O Povo da Lousã”, único jornal que então aqui se publicava, ocorreu em 12 de Junho de 1949(no livro “O Poeta Lousanense António Victor”, da autoria de José Ricardo de Almeida, pg. 321).

Os Joões também já davam um ar da sua graça, entoando

Rapazes foliões

e airosas raparigas

olhai os nossos Joões

encolhendo as barrigas

neste caso, por obra e engenho do mesmo António Victor e de João Mateus Poiares, regente da Filarmónica.

Os Pedros, apesar de quase uma dúzia, desunharam-se a ensaiar durante noites seguidas, com empenho e dedicação, na sede do Desportivo Lousanense ( nessa altura no rés-do-chão do edifício da Pensão Bem-Estar), uma melodia dos mesmos autores da marcha dos Antónios, e propunham-se:

Vão os Pedros no Cortejo

Esta noite tudo canta

Vão as notas num desejo

Canção sonho e beijo

Em cada garganta.

Só que, às tantas, decorriam os ensaios a bom ritmo, sabe-se, no dia 22 de Junho de 1959, do falecimento do então presidente da Câmara, dr. Pedro Mascarenhas de Lemos. Num gesto de homenagem e de resignação solidária, os Pedros resolvem pôr gravata preta e mandar para as calendas gregas o texto e a música que tanto trabalhinho haviam dado a decorar. Obviamente chateados, porque eram poucos…Impantes e foliões os Antónios continuaram na sua:

E os Pedros, por pirraça,

não querem bailar na Praça

com foguetes e balões.             

Pedro Júlio Malta, cofundador do Trevim

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por admin
Carregar mais artigos em Sociedade

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Novo livro de Aires Henriques

A publicação da obra “Um pedroguense com iniciativa e obra feita”, um fundamentado conjunt…