A Nova Ouriense – Construções e Empreendimentos Urbanos, interpôs recentemente uma ação no Tribunal Judicial da Comarca de Coimbra com o objetivo de reivindicar a posse de propriedades geridas pela Assembleia de Compartes dos Baldios de Vilarinho. Em causa, estão os terrenos do “Casal da Bemposta” ou “Avelal”, com 170 hectares de área, correspondentes a 64 artigos matriciais.

A zona situa-se entre o Casal do Franco, Casal da Silveira, a Ribeira Maior e a Lomba do Moiro, na freguesia de Vilarinho, um espaço onde estão localizados metade dos aerogeradores do Parque Eólico do Trevim, Lda, respetivamente do número 8 ao 14. De acordo com os documentos que constituem a ação interposta, a que o Trevim teve acesso, estes terrenos têm a natureza de propriedade privada, já que desde há mais de 300 anos tal aparece referenciado em diversos documentos oficiais. Consta que, de 1687 a 1976, nunca foi identificado em qualquer documento como baldio incluindo-se o cadastro dos baldios do Continente, bem como nunca foi submetida ao regime florestal (ver caixa).

No contrato elaborado em fevereiro de 2008, a renda anual, acordada entre esta sociedade e o referido Parque Eólico, ficou estipulada em 38.500 euros. O artigo 116º da peça processual, alega que foi “resultado de um processo negocial consensual, onde nunca foi posta em causa qualquer gestão relativa à propriedade do Casal da Bemposta e, claro está, especificamente, aos artigos objeto das pretensões da presente petição”. Inicialmente, o Parque Eólico pagou à Nova Ouriense e aos baldios, fruto de dois contratos de arrendamento diferentes, fracionando a verba pelas duas entidades. Em 2014, a Assembleia de Compartes dos Baldios de Vilarinho moveu uma ação ao referido Parque Eólico sem a Nova Ouriense ter sido parte no processo, ação essa ganha pelos baldios e a partir desse momento o pagamento foi feito unicamente à entidade de Vilarinho.

Nesta ação judicial, pretende-se que os Baldios de Vilarinho indemnizem a Nova Ouriense em 50. 000€, quantia correspondente ao valor das rendas que deixou de auferir em resultado do que considera ser uma “ocupação abusiva dos imóveis, desde início de 2018” o que pode significar para esta associação um corte de metade das receitas que aufere do Parque Eólico do Trevim, Lda.

Leia mais na edição impressa do Trevim n.º 1341

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por admin
Carregar mais artigos em Destaque

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Veja também

Governo rejeita em Poiares exclusividade às agregações no ciclo da água

O Governo viabiliza alguns projetos de autarquias que recorram isoladamente aos fundos eur…