Sadjat, uma personificação do Irão

Sadjat é um jovem de 31 anos de idade, cheio de vida e de gosto pela hospitalidade. Tem uma ascendência indiana, passada pelo seu avô que daí veio para trabalhar na Pérsia em meados do século passado e se baseou em Yazd. No seu Peugeot do início da década de 90, vai-me mostrando o que os arredores desta cidade têm para mostrar. Acabou o curso de Engenharia, mas prefere trabalhar na área do turismo.

“Os meus amigos têm o seu ordenado de 250 euros, mas eu não. Tenho fases durante o ano, mas não me arrependo pois não conseguiria viver fechado num escritório como eles durante o dia”, remata, sorridente. Sublinha, com tudo o orgulho, que o seu pai foi o primeiro agente turístico da cidade, um feito inédito numa época em que quase não se falava dessas coisas. Gostava de conhecer o mundo, mas não é fácil sair dali, e muito menos para passear na Europa. Após visitarmos Ardakan, uma aldeia fantasma no meio do nada, ao ver-me a chegar ao carro, sai do abrigo que era a sombra de uns arbustos, carregando uma lancheira já com a pátina do tempo bem vincada e oferece-me tâmaras para acompanhar com café que também trouxe num termo. Ali estivemos à conversa, abrigados de um sol que nos queimava com 48 graus de temperatura. Perguntei-lhe se sentia as oscilações de política internacional em relação ao seu país. “Há poucos anos atrás, depois do acordo nuclear, houve mais estrangeiros a visitar a minha terra. Havia trabalho e começámos a viver melhor. Mas depois de Trump subir ao poder e de rasgar o acordo, deixaram de vir. Todos nós sofremos com isso. Quando ele fala, sabemos que a nossa vida vai piorar.”

O seu sorriso perdeu parte da sua pujança enquanto partilhava estas preocupações comigo. Quando regressámos ao final da tarde ao ponto de partida, despeço-me dele e digo-lhe que a melhor medida que o seu governo poderia tomar seria dar um visto gratuito a todos os cidadãos da União Europeia, para que vistassem a sua pátria, o que seria óptimo pois não só lhes traria maior prosperidade como também seria uma forma de se desintoxicar a opinião pública, pelo menos a europeia, sobre o que é na realidade este grande e belo país.

Ao voltar, neste dias, a ver as notícias sobre o Irão e dass sanções que os Estados Unidos e alguns países europeus lhes insistem em agudizar, não posso deixar de me lembrar do meu amigo Sadjat.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Joaquim Seco
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

De Teerão a Pequim – um diário de bordo

Ouvir Voltar a Yazd Diz a sabedoria dos mais experimentados na vida que não devemos voltar…