Mário Inácio, pintor e impulsionador do projeto “Miminhos dos Avós”, conta como começou o amor pela pintura, falando dos processos de criação e inspirações

 Trevim (T): Como surge a história de amor entre si e a pintura?

Mário Inácio (MI): Sempre quis pintar e sempre pintei com lápis de cera e lápis de cor.

Estive sempre ligado ao desenho embora nunca tivesse vivido do desenho. Tirei um curso industrial e em Angola, desenhava projetos de casas e prédios. Usei o desenho na minha profissão. Vim para Portugal e numa empresa de construção civil, fazia planos e esquemas, que ajudava no processo de construção de pontes, por exemplo. O engenheiro faz o projeto mas para a execução tem que haver o desenho e isso era o meu trabalho. Desenhava de noite e de dia acompanhava a obra. O meu desenho é técnico. Hoje já não se desenha assim. Desenhava-se com pormenor. Hoje o programa Autocad faz tudo.

A empresa foi à falência, fiquei desempregado aos 64 anos. Comecei por frequentar a ADRAS e mais tarde, o Atelier Eliseu onde aprendi muito e continuo, não tão assiduamente.

T: Como define o seu traço?

MI: Para mim uma linha reta é uma linha reta, um quadrado tem que ter 90 graus em cada ângulo. Um rosto tem que ter os traços que o identifiquem. Às vezes tenho pena de não saber pôr na tela outro tipo de pintura. A minha, qualquer máquina fotográfica faz.

T: De onde retira inspiração?

MI: Gosto de pintar tudo aquilo que me sensibiliza. Estou numa fase muito complicada em que me pergunto “O que é que eu vou pintar?”

Gosto de pintar sozinho, ao som de música clássica. Fui habituado a trabalhar sozinho e gosto de pintar de tudo. Faço muita composição de fotografias. Não sou capaz de pintar de cabeça. Sou um copiador, dão-me uma fotografia e reproduzo.

 

Leia a entrevista completa na edição impressa do Trevim N.º1410

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por 
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

Quatro detidos em festa ilegal com 31 pessoas no Catarredor

A detenção surgiu na sequência de uma denúncia de uma festa numa moradia, na aldeia do Cat…