Perante a recente proposta de lei do governo que visa a criação de novas freguesias, o “Movimento Cívico Refutar”, acredita que o “processo da restituição do estatuto da freguesia de Vilarinho poderá ter um fim à vista”.

Agregada à freguesia da Lousã no seguimento da reforma administrativa de 2013, durante a qual foram unidas 1168 freguesias, Vilarinho “viu-se destituída do normal progresso de uma freguesia que se caraterizava pela proximidade e valorização”. Baseando-se na dimensão do território onde está inserida e à falta de recursos humanos e económicos da “União de Freguesias”, o movimento considera que a alteração de 2013 “penalizou Vilarinho a todos os níveis”.

Segundo a nova proposta, remetida pelo Secretário de Estado das Autarquias Locais, Carlos Miguel para parecer da Associação Nacional de Municípios Portugueses (ANMP) e da Associação Nacional de Freguesias (Anafre), e posteriormente remetida ao parlamento após aprovação em Conselho de Ministros, a criação de novas freguesias está dependente de terem, um “número de eleitores igual ou superior a 2% dos eleitores do respetivo município, não podendo ser inferior a 1150 eleitores por freguesia”, como é o caso de Vilarinho.

Leia a notícia completa na edição impressa do Trevim N.º1404

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por 
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

Quatro detidos em festa ilegal com 31 pessoas no Catarredor

A detenção surgiu na sequência de uma denúncia de uma festa numa moradia, na aldeia do Cat…