Segundo conta a lenda, o Castelo da Lousã, classificado como monumento nacional em 1910, terá sido edificado na época de ocupação muçulmana da Península Ibérica pelo chefe árabe Arunce, com o objetivo de proteger a sua filha Peralta e os seus tesouros, após ter sido derrotado e expulso de Conímbriga. Erguido há largas centenas de anos para ser impenetrável, o Castelo da Lousã apresenta atualmente uma acessibilidade plena, resultado das obras de qualificação e acessibilização realizadas no equipamento, inauguradas dia 27 de abril.

A intervenção representa um investimento de 354 mil euros, financiado em 213 mil euros por fundos comunitários obtidos através do Pacto para o Desenvolvimento Territorial celebrado entre a Câmara Municipal da Lousã, a Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional. O projeto, do arquiteto Fernando Silva, consistiu na criação de acessos e de um miradouro na Torre de Menagem, na construção de uma escada metálica em caracol, instalada na Praça de Armas que permite o acesso à entrada da torre, bem como de rampas de acesso e instalação de iluminação no monumento. Resultou ainda na construção de um frontispício com texto de José Saramago sobre o Castelo da Lousã, na modernização do miradouro já existente com vista para a serra e na criação de um Centro Interpretativo.

 

Leia a notícia completa na edição impressa do Trevim N.º 1404

 

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por 
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

Quatro detidos em festa ilegal com 31 pessoas no Catarredor

A detenção surgiu na sequência de uma denúncia de uma festa numa moradia, na aldeia do Cat…