Casimiro Simões

A família Lebre, que acompanhou no Brasil o lousanense João Montenegro na fundação da colónia Nova Louzã, no século XIX, é oriunda do município de Miranda do Corvo e um seu descendente destacou-se como soldado na Revolução Constitucionalista de 1932.

Nascido em Campinas, em 1913, Augusto Aparecida Lebre integrou aos 19 anos a luta armada com que os paulistas tentaram derrubar o governo provisório do presidente Getúlio Vargas, para que fosse depois convocada uma Assembleia Nacional Constituinte. Os constitucionalistas perderam a guerra contra o ditador, mas as suas principais exigências vieram a concretizar-se anos mais tarde.

Paulo Aparecida Lebre, residente em São Paulo, recorda com emoção a trasladação dos restos mortais do seu familiar, do cemitério de Vila Formosa para o Mausoléu ao Soldado Constitucionalista, em 2012, numa cerimónia presidida pelo então governador do estado Geraldo Alckmin. “Em 1932, toda a população se uniu em armas para lutar pela Constituição”, disse o advogado de 69 anos, que já visitou os parentes em Vale de Colmeias e Chãs, lugares da atual União de Freguesias de Semide e Rio Vide, em Miranda do Corvo, de onde saíram os ancestrais para o Brasil, em 1867.

Leia a notícia completa na edição impressa do Trevim N.º 1403

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Carlos A. Sêco
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

Editorial – O Trevim em tempos de Covid-19

Ouvir Os tempos que atualmente vivemos tem sido tempos difíceis quer a nível das pessoas q…