Esta sexta-feira, dia 26 de abril, inaugura pelas 18:00, na sede da Cooperativa Trevim, a exposição “Pedrinhongos em Liberdade”, uma mostra que reúne desenhos elaborados por Pedro Brazião Rodrigues, um menino que surpreendia pelo poder da sua imaginação. O caráter inovador e criativo dos seus traços inspirou uma marca de chocolates, a “Cacao diVine”, a lançar uma coleção exclusiva com os seus desenhos impressos em cortiça. Parte da venda reverteu para a Acreditar, a Associação de Pais e Amigos da Criança com Cancro, que conseguiu adquirir cortinas especiais para o Hospital Pediátrico de Coimbra.

“Como que por magia, de um traço só, o branco das folhas preenche-se de vida”. Esta frase consta da apresentação da coleção de chocolates no site da marca e ilustra um pouco do que foi esta criança, que partiu em março de 2018. “O Pedrinho conviveu com a doença das células malucas durante quase 5 anos, o que acabou por levá-lo deste mundo com 10 anos e 364 dias. Apesar da doença, o Pedro construiu um imaginário fantástico fruto de uma força de viver imensa e de uma imaginação hilariante”, diz quem o conheceu de perto.

Personagens imaginárias e histórias mirabolantes fervilhavam na mente de Pedro, que criou o “Dragamungão”, o “Passasquilo”, o “Dinbarbicha”, o “Peixe Nuvem”, a “Lesma Beiçuda”, o “Cão Espinhoso”, entre muitas outras figuras. É para dar a conhecer estas personagens que a “Pedrinhas”, Cooperativa de Solidariedade Social, que herdou o património da boa-disposição, criatividade e determinação do Pedro, expõe alguns dos seus trabalhos na Cooperativa Trevim que abriu as suas portas para deixar entrar todo este mundo de fantasia. A mostra, que se prolonga até 30 de maio, é uma iniciativa inserida nos 40 anos da Cooperativa Trevim e no programa comemorativo dos 45 anos do 25 de abril promovido pela Câmara Municipal da Lousã.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …