A sala de reuniões da Junta de Freguesia de Serpins foi pequena para albergar todas as pessoas que quiseram assistir à reunião da Assembleia de Compartes dos Baldios da Freguesia de Serpins, realizada sexta-feira, dia 8, a partir das 20:00. Além de encher a sala, o público estendeu-se ainda pelo corredor da entrada.

Com três pontos na ordem de trabalhos, a sessão durou mais de quatro horas, tendo havido momentos em que os ânimos se exaltaram, sobretudo na hora das votações. “Isto é uma palhaçada”, referiu um dos compartes presentes, abandonando a sala, à semelhança de outros, que também saíram após a votação do primeiro ponto, que resultou num empate entre os votos a favor e contra.

O ponto em discussão consistia na ratificação do acordo de colaboração entre a Junta de Freguesia de Serpins, como gestora dos baldios, e a Câmara Municipal da Lousã, na qualidade de proprietária formal, sobre a alteração matricial do prédio incluído na área da Zona Industrial de Vale da Ursa, com vista à regularização da titularidade da propriedade a favor das empresas ali sediadas há mais de 20 anos. A Junta de Freguesia terá aproveitado a existência de um título de propriedade por usucapião em nome da edilidade para vender, como entidade administradora dos terrenos baldios, a título simbólico, os lotes aos empresários já lá instalados. Como noticiámos em anterior edição, o assunto mereceu já uma queixa ao Ministério Público, tendo o autor solicitado a anulação da escritura de apropriamento por usucapião, por estar ferida de “ilegalidade” defendendo que os terrenos baldios pertencem aos compartes.

A apreciação do ponto prolongou-se, tendo o presidente da Junta de Freguesia, João Pereira, explicado os passos que teve de dar para conseguir regularizar a situação da propriedade dos terrenos, cuja intenção já tinha sido aprovada em reunião da Assembleia de Freguesia de 2015. Na altura, dirigiu-se a várias conservatórias do país para o conseguir fazer, contudo nenhuma logrou realizar essa pretensão, dada a inexistência de um título. Só quando teve conhecimento que a Câmara era detentora formal dos terrenos baldios, avançou com o processo mesmo reconhecendo ter usado uma forma “pouco ortodoxa” para conseguir que os empresários pudessem ser os legítimos proprietários. “Os incêndios aconteceram e a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro tinha rapidamente de resolver o problema dos apoios e das indemnizações”.

Continua na edição impressa do Trevim n.º 1400

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …