Os incêndios de 2017, que afetaram as empresas instaladas nos baldios de Vale da Ursa, em Serpins, precipitaram a necessidade de formalizar a propriedade dos terrenos em nome das firmas implantadas, sob pena de nenhuma poder receber qualquer indemnização pelos prejuízos. Esta exigência da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro (CCDRC), que liderou o processo, levou a Câmara Municipal da Lousã (CML) e a Junta de Freguesia de Serpins (JFS) a estabelecerem um acordo de cooperação no sentido de transmitirem a propriedade dos terrenos para os empresários, colocando à venda os lotes já ocupados, pelo preço de um euro.

O acordo, assinado entre as partes em julho de 2018, foi ratificado na reunião de dezembro da Assembleia de Freguesia de Serpins e é um dos pontos em análise na próxima sessão da Assembleia de Compartes dos Baldios de Serpins, marcada para a próxima segunda-feira, dia 18, às 20:00.

Esta transferência de propriedade levou Miguel Gonçalves, serpinense e ex-deputado da Assembleia de Freguesia eleito pela coligação PSD/CDS no mandato 2013/2017 que chegou a liderar um movimento de oposição à gestão dos baldios por parte da JFS, a apresentar no dia 31 de janeiro último uma queixa ao Ministério Público. A sua pretensão é clarificar a propriedade dos terrenos e solicitar a anulação do registo na Conservatória do Registo Predial, datada de 1997, em que é atribuída à CML a titularidade dos terrenos.

Leia a notícia completa na edição impressa do Trevim n.º 1398

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …