Conforme havia declarado em Serpins, há três semanas, o primeiro ministro António Costa presidiu dia 4, em Miranda do Corvo, à cerimónia pública de lançamento da primeira empreitada que reinicia as obras no corredor do Ramal da Lousã, em 30 km de extensão, entre Serpins e o Alto de São João, em Coimbra, depois de em 2009 as obras de instalação de um Sistema de Mobilidade do Mondego (SMM) terem sido suspensas.

Uma vez que o sistema a instalar já não é o mesmo que a primeira obra previa, esta primeira empreitada agora lançada prevê intervenções na infraestrutura, em 13 pontes e pontões e nos sete túneis existentes no antigo canal ferroviário, de forma a adaptar o já existente no terreno às características do novo tipo de transporte. Intervenções que custam 25 milhões de euros.

De acordo com o concurso lançado na plataforma governamental (visível em www.anogov.com), esta empreitada, intitulada “Adaptação a uma solução BRT – Metrobus”, tem um prazo de candidatura para as empresas interessadas até 2 de maio, sendo a data limite para esclarecimento, erros e omissões o dia 3 de março. Depois de adjudicada, a obra tem um prazo de execução de 15 meses. Para assegurar serviços de assessoria, fiscalização e coordenação de segurança foi lançado, no mesmo dia, outro procedimento concursal, orçado em 1,6 milhões de euros.

Leia a notícia completa na edição impressa do Trevim n.º 1398

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …