“Estamos hoje muitos felizes pelo facto do nosso concelho ter proporcionado ao Rafael as ferramentas, as condições, o ambiente para poder construir um projeto de vida”. Esta declaração é do presidente da Câmara Municipal da Lousã, Luís Antunes, proferida durante o lançamento oficial do livro sobre a vida de Rafael Ramos.

“O Rafael a todos nos toca e a todos nos inspira. Este livro enquadra-se, claramente, naquilo que tem sido a política editorial levada a cabo pela Câmara Municipal, porque evidencia uma caraterística muito importante do nosso concelho e da nossa comunidade que é a inclusão”, acrescentou o autarca, na sessão realizada no Hotel Meliá Palácio da Lousã, este sábado, dia 26, que começou com um momento musical do projeto João Francisco cantautor.

Facilmente a emoção tomou conta dos oradores. Pelo exemplo de força de vontade e de determinação que é o Rafael. A sua deficiência física nunca foi obstáculo para viver com intensidade. Marques Leandro, que era presidente da direção da Associação para a Recuperação de Cidadãos Inadaptados da Lousã (ARCIL) quando Rafael Ramos se mudou para a Lousã, aos 10 anos, contou alguns episódios exemplificativos dessa energia sem barreiras. “Nos bailes, via o Rafael a atirar-se para o chão a fazer rodopios de dança… e nunca parava”, recordou o ex-presidente, lembrando outros momentos em que o protagonista do livro participava em jogos de futebol. “Era mais andebol só com uma mão, mas mandava cada estoiro à baliza que nem sempre o guarda-redes conseguia defender”. Nadar, trabalhar em informática, fazer surf foram outras das capacidades do Rafael referidas por Marques Leandro. Mas a “viragem” que o deixou mais emocionado, foi quando soube que a personagem principal da obra estava a residir com a sua namorada, a Sandra. “Senti uma satisfação muito grande por ver o Rafael a percorrer a sua vida com naturalidade”.

Leia mais na edição impressa do Trevim n.º 1397

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …