O prazo dado pelo Governo à Câmara da Lousã para substituir as janelas dos Paços do Concelho abrange o estudo da “solução mais adequada”, mas também a realização concreta das obras, segundo a Direção Regional de Cultura do Centro (DRCC).

“Entendemos, face ao investimento já realizado, que será razoável a fixação de um prazo de cinco anos, contados a partir da data da decisão ministerial, para em colaboração com os nossos serviços estudar e implementar uma solução mais adequada ao existente”, afirma a DRCC, num documento enviado depois do verão ao presidente da Câmara, Luís Antunes, e citado num esclarecimento ao Trevim da diretora regional, Celeste Amaro.

Recorde-se que o Governo, através da DRCC, ordenou que o município deve repor os vãos da sua sede de acordo com o modelo que existia antes das obras de remodelação do edifício, cujo projeto original, da autoria do arquiteto João Moura Coutinho, incluía cerca de 60 janelas e portas com caixilharia de madeira e vidragem em quadrícula, as quais foram mudadas sem o parecer prévio da DRCC, que é obrigatório e vinculativo.

Em março de 2017, com os trabalhos concluídos, Luís Antunes interpôs um recurso hierárquico do “parecer favorável condicionado” junto do então ministro da Cultura, mas Luís Filipe Castro Mendes indeferiu a pretensão do autarca do PS.

Segundo uma informação escrita que a Provedora de Justiça, Maria Lúcia Amaral, enviou há dois meses ao cidadão Rui Abreu, o município foi notificado a proceder à reposição das janelas “nos termos explicitados em parecer técnico, num prazo máximo de cinco anos contados a partir da data da decisão”.

Leia a notícia completa na edição impressa do Trevim n.º 1394

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Carlos A. Sêco
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

Editorial – O Trevim em tempos de Covid-19

Ouvir Os tempos que atualmente vivemos tem sido tempos difíceis quer a nível das pessoas q…