A exposição “O Traço da Justiça”, que inclui duas exposições de cartune organizadas para comemorar os 50 anos do jornal Trevim, terminou o seu périplo por vários concelhos da Beira Baixa – Castelo Branco, Belmonte, Proença-a-Nova, Fundão ­­-, regressando ao Tribunal Judicial da Covilhã, de onde tinha partido. A receber a mostra, organizada pelo humorista Osvaldo Macedo de Sousa, estava, no dia 23, um espaço apetrechado com mais duas exposições e outras tantas em perspetiva.

Tendo servido como pontapé de saída para realizações culturais de diversa índole, o juiz presidente da Comarca de Castelo Branco e colaborador do Trevim, José Avelino, destacou ao nosso jornal a aceitação positiva que teve a mostra de desenhos satíricos de cartunistas vindos de 15 países, e que já esteve patente na sala de exposições da Cooperativa Trevim.

“Verificou-se uma grande aceitação por parte de um conjunto de escolas que foram visitar a exposição, Castelo Branco foi a primeira e o nosso segurança dizia que todos os dias havia pessoas interessadas em visitar a exposição, diziam que era uma coisa original, uma área em que a justiça nunca se tinha intrometido, mas que acho que se deve intrometer, porque a justiça também é cultura”, referiu José Avelino aos órgãos de comunicação social, momentos antes de inaugurar as duas mostras “O Arquivo do Tribunal da Covilhã” e “A Justiça nos Lanifícios do Século XIX” que resultaram de investigações no sótão do tribunal, distribuídas pelo átrio.

Leia a notícia completa na edição impressa do Trevim n.º 1393

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …