A Câmara Municipal assinalou a passagem dos 150 anos da Biblioteca Municipal da Lousã, no dia 26, com o lançamento de uma obra literária e apresentação de um breve historial do espaço.

“Foi em 25 de outubro de 1868 na Lousã que é inaugurada uma biblioteca destinada à fruição da população lousanense, a que se deu o nome de Instituto D. Luís I, constituída por cerca de 400 volumes por doação de alguns beneméritos lousanenses entre os quais João Belisário de Carvalho Montenegro, que vem a ser o patrono da biblioteca, e Pompeu Augusto dos Santos”, disse o Técnico Superior Vítor Maia e Costa.

Em meados da década de 60, com a Comissão Municipal de Turismo na altura chefiada por João Fernandes de Almeida (sobrinho), a biblioteca sofre uma reorganização. É alvo de algumas vicissitudes por alturas do 25 de Abril de 74 e, em 1983, após a saída de vários serviços do rés-do-chão da Câmara (na altura funcionavam lá tribunal, finanças e conservatória), é lá instalada a Biblioteca Municipal, tendo-se contratado um técnico superior bibliotecário, Matos Silva. Era constituída por uma sala de adultos, uma sala para atividades recreativas e integrava já a biblioteca fixa da Fundação Calouste Gulbenkian.

O atual edifício começa a ser construído em 1989, fruto de protocolo entre a autarquia lousanense e a Secretaria de Estado da Cultura.

Leia a notícia completa na edição impressa do Trevim n.º 1391

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …