Mirandense – 3, Arouce-Praia – 0

Equipa: Murcela, Bruno Miguel, Bruno Costa, Diogo Renato, Xavier Santos, Bruné (Telmo Bernardo), José Silva, Zito, Flávio Bento, Duarte (Rafa, 30’), Rubinho (Afonso, 30’). Suplentes: Ivo Santos, Samuel, Afonso, Telmo Bernardo, Rui Edgar, Rafael

Guilherme Francisco, Treinador do Arouce-Praia

Na primeira parte, o jogo esteve equilibrado, vitória justa por número exagerado. O segundo golo, de penálti, quanto a nós, não existiu, e aí o jogo ficou decidido. Gostaria de enaltecer o empenho e dedicação dos jogadores que lutaram do primeiro ao último minuto, em busca do melhor resultado possível.

 

CDL – 1, Moinhos – 1

CDL: Diogo, Marco, Márcio, Israel, Tiago Raimundo, Daniel Martins, Marquito (65’), Piquet (85’), André Santos, Miguel Rias, Leo Suplentes: Baía, Alfa, Rui Lucas (65’), Zica (85’), Moita, Pedro Carvalho, Daniel Carvalho. Golo: André Santos, 44’

Treinador Tiago Santos

A nossa equipa entrou no jogo com uma grande motivação, pois ganhámos em Góis por 4-0 e queríamos ganhar contra o primeiro classificado, neste caso o Moinhos. Marcámos no final da primeira parte, aos 44’, após uma bela jogada da nossa equipa, na segunda parte jogámos contra duas equipas, o que tornou mais difícil aguentar o resultado e aumentar a vantagem. Nos minutos finais, a equipa de arbitragem decidiu assinalar uma grande penalidade, a qual o Diogo defendeu, o árbitro mandou seguir para espanto de todos, o fiscal de linha mandou repetir o penálti do qual o Moinhos empatou a partida.

Este tipo de situações ainda nos torna mais fortes, e mostrou a grande qualidade e vontade de todos os nossos jogadores. Parabéns a todos os atletas e obrigado aos adeptos pelo apoio prestado.

 

Gândaras – 0, Góis – 1

Renato (CAP), Rui (Quim, 60″), Michel, Ferreira, Loureiro, Seco, Pimenta, Gonçalo (Ribas, 85″), Francisco, Miguel (Leitão, 72″), Rafa

Rui Rodrigues, treinador do Clube Académico das Gândaras

O jogo foi muito equilibrado, com muita luta pela posse da bola, em que as defesas estiveram quase sempre melhor que o ataque. Aos 75’ surgiria então o único golo da partida na conversão de uma grande penalidade bem assinalada. A partir daí, as Gândaras tentaram tudo para chegar pelo menos ao empate, o qual poderia ter acontecido se o árbitro não fizesse vista grossa a uma mão na grande área do Góis. O resultado certo seria o empate.

 

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …