O novo ano letivo traz algumas mudanças. Pedro Balhau, Diretor do Agrupamento de Escolas da Lousã faz o ponto da situação, divulgando as diretrizes do projeto educativo da nova equipa diretiva, entretanto já completa.

Trevim (T):No presente ano letivo, 2018/2019, estão previstas alterações curriculares, com uma maior flexibilidade a nível programático. Pensa que estas alterações beneficiam o ensino-aprendizagem?

Pedro Balhau (PB): O novo Decreto-Lei nº 55/2018 e as portarias que o regulamentam, estabelecem uma maior autonomia na gestão flexível do currículo. Essa autonomia pode ser concretizada de diferentes formas, nos diferentes ciclos de ensino e anos de escolaridade. Mesmo em turmas de um mesmo ano podem haver opções diferentes.

Para interpretar esta flexibilização é fundamental conhecer o Perfil do Aluno no final de cada ciclo e também as Aprendizagens Essenciais previstas para o ensino básico e para o ensino secundário. Depois, dentro da autonomia que é reconhecida às escolas, estas podem decidir sobre a matriz curricular, os conteúdos programáticos das áreas disciplinares e as formas de articulação curricular, havendo uma clara valorização da inter e da transdisciplinaridade.

Continua na edição impressa do Trevim nº 1387

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …