Envolver a população no sistema de combate a incêndios florestais foi uma necessidade defendida pelo investigador Xavier Viegas, dia 12, durante o seminário “Comunidades Locais e os Baldios”, no Museu Prof. Álvaro Viana de Lemos. O especialista que se encontra a estudar os incêndios de 15 de outubro, depois de ter investigado as ocorrências de Pedrógão Grande, considera que a população não tem sido “nem vista nem achada” nesta problemática. E quando se referiu à população, queria referenciar também as instituições, a comunidade científica, as empresas, as autarquias, os baldios.

Para Xavier Viegas, o Sistema Nacional de Defesa da Floresta Contra Incêndios não deveria assentar só nos pilares do ICNF (Instituto de Conservação da Natureza e Floresta), da Autoridade Nacional da Proteção Civil e GNR. “Falta-lhe a população, que é tudo o resto”, frisou, salientando ter sido com satisfação que viu a menção à população na Diretiva Única de Prevenção e Combate, publicada em Diário da República de 1 de março.

“Incêndios florestais são um problema de todos”

O lousanense Domingos Lopes, professor da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, manifestou o seu orgulho em residir longe dos grandes centros urbanos, defendendo “ser preciso estar dentro da floresta para a compreender melhor”. Considerando que a prevenção dos incêndios florestais é um problema de todos, e não só do interior do país, lembrou que a grande seca registada em 2017 poderia ter influenciado drasticamente a quantidade e a qualidade da água na faixa litoral do país. “As pessoas têm noção disso? Que o uso do solo nas bacias hidrográficas, nas áreas baldias, nas cabeceiras das linhas de água, são verdadeiramente estruturantes?”, questionou o engenheiro florestal.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …