Com a obra “Os Lousanense e a 1.ª Grande Guerra”, que vai ser publicada pela Câmara Municipal da Lousã, em dois volumes, é dada a conhecer a história, não só militar, mas também civil dos soldados que integraram o Corpo Expedicionário Português e combateram na Flandres e em África, no conflito mundial de 1914-1918. O primeiro volume, dedicado à Flandres, foi lançado dia 14 de abril, numa cerimónia onde estiveram familiares dos militares lousanenses, que encheram o auditório da Biblioteca Municipal da Lousã. A investigação foi realizada pelo lousanense José Manuel Almeida, com base nos Arquivos Histórico Militar, da Marinha, da Cruz Vermelha Portuguesa e do Ministério dos Negócios Estrangeiros. O arquivo histórico Municipal, bem como o Arquivo Paroquial da Lousã, o Arquivo da Universidade de Coimbra e os jornais “Alma Nova”, “O Futuro”, “O Povo da Lousã”, “Comarca de Arganil” e o “Trevim” foram outras fontes de informação para o livro.

“História de La-Lys não se fez verdadeiramente”

O Chefe de Estado Maior do Exército, General Rovisco Duarte, presidiu à cerimónia, em que traçou o cenário que poderá ter levado ao conflito mundial. “Pensem em 1800, em Portugal pequenino, na importância das colónias de Angola, Moçambique e São Tomé e Príncipe, e o que era a ambição da Alemanha, França e Inglaterra em querer esses territórios”, referiu o general. Explicou que quando os três grandes se desentendem, entra-se num processo de guerra poucos anos depois da monarquia cair no nosso país, dado lugar à República, o que gerou um clima hostil entre os apoiantes destes dois sistemas políticos. “A noção que havia de defesa das províncias leva-nos à guerra, numa situação económica má”, acrescentou o general, revelando que a Inglaterra suportou as despesas de guerra, dívida que teve de ser paga até aos anos 50. “A história da guerra, a história de La-Lys não se fez verdadeiramente, dado que o Estado Novo não permitiu uma análise perfeita dessa situação”, disse, salientando a quantidade de obras sobre episódios da época que estão a surgir nas autarquias, como a da Lousã. No conjunto de obras lançadas, o general Rovisco Duarte mencionou a realidade “crua” descrita no “Diário de Campanha do General Fernando Tamagnini”, que revela muitas histórias desconhecidas.

Continua na edição impressa do Trevim nº 1377

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …