O lousanense Marco Rangel suspendeu em 2017 a atividade da sua empresa que se dedicava ao corte de ramos de árvores junto a linhas de eletricidade porque percebeu que o “trabalho não era sério”. Esteve entre 2013 e 2017 a prestar serviço na zona de Santarém e Lisboa, tendo visto várias situações perigosas, “como árvores a explodirem contra as linhas, ignições nas copas das árvores” e não conseguiu ficar passivo quando se deparou com situações perigosas, em abril do ano passado, quando decidiu vir trabalhar para a região Centro.

“Fui analisar uma linha na zona da Castanheira de Pera junto a Figueiró dos Vinhos, Penela e Pedrógão Grande e comecei a ver que algo estranho estava a acontecer naquela zona, e que era preciso, não um trabalho de manutenção, como estava a ser pedido, mas muito trabalho especializado”, contou ao Trevim, salientando que teria de recorrer a toda a formação e experiência em trabalhos em altura e proximidade a linhas de média e alta tensão, para poder trabalhar em segurança.

“Decidi propor ao empreiteiro, que recebeu os trabalhos nesta zona para o conjunto dos três anos, para contactar a EDP, no sentido de pagar pelo menos parte dos trabalhos como serviço especializado”. Para o efeito, fez um registo fotográfico da zona, em abril de 2017. Segundo contou ao Trevim, a EDP não terá aceitado, afirmando que as “linhas estavam bem”, “em segurança”. “Em junho deu-se a tragédia”, diz, lamentando o sucedido.

“Uma das fotos que tirei de uma situação muito perigosa, tinha sido precisamente na ‘estrada da morte’, a uns quilómetros mais acima do local onde ocorreram os acidentes”, frisa, querendo deixar o alerta para que ocorrências como os incêndios de 17 de junho e 15 de outubro, em que morreram mais de uma centena de pessoas, não voltem a acontecer.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …