João Pinto Coelho, o escritor vencedor do Prémio Leya 2017 com o romance “Os Loucos da Rua Mazur”, esteve no Agrupamento de Escolas da Lousã no dia 8 de janeiro. Foi entre alunos do 9.º ano que o escritor marcou presença às 10:30 na Escola Secundária e às 12:00 na Escola Básica n.º 1 para, no âmbito da disciplina de História, debater o tema Holocausto.

Numa primeira abordagem, João Pinto Coelho explicou aos estudantes o que realmente foi o assassinato em massa, fazendo a contextualização histórica e esclarecendo como a Alemanha Nazi ocupou a Polónia e atuou na mesma, construindo uma rede de campos de concentração destinados maioritariamente aos judeus.

Auschwitz, o nome alemão dado à cidade polaca Oświęcim, foi durante anos, a cidade do escritor, devido aos seus diversos estudos aprofundados sobre esta temática. As suas vivências e contacto com sobreviventes do maior genocídio da história da humanidade, com o registo de 6 milhões de mortes judias por toda a Europa, permitiu a Pinto Coelho explicar de forma clara, objetiva e natural como o Holocausto foi vivido por pessoas inocentes.

“As fábricas da morte” – analogia apresentada pelo escritor – foi o mote para explicar tudo o que estava envolvido no processo de extermínio. O silêncio foi profundo no auditório, demostrando o interesse de todos.

 

Continua na edição impressa do Trevim n.º 1370

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Carlos A. Sêco
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

Editorial – O Trevim em tempos de Covid-19

Ouvir Os tempos que atualmente vivemos tem sido tempos difíceis quer a nível das pessoas q…