Eles são temidos pelos adversários e já são uma referência a nível nacional entre os jovens damistas. São conhecidos como “os azuis”, aqueles que cedo ocupam as primeiras mesas nas provas. Desde a fundação em 2015, a Louzandamas-Activar, projecto que teve a sua génese no âmbito do Espaço J, já trouxe para o concelho três títulos nacionais absolutos a que se somam mais sete, também nacionais, entre campeonatos e vice-campeonatos nos diversos escalões etários.

Eduardo Carvalho foi o primeiro campeão nacional de jovens lousanense, em 2015; no ano seguinte Tiago Paiva seguiu-lhe as pisadas e em 2017 foi Afonso Sandinha que logrou alcançar o almejado título nacional, depois de nas anteriores participações ter sempre ficado no pódio da prova rainha da Formação da FPD (Federação Portuguesa de Damas) que este ano está agendada para 8 de dezembro.

O sucesso destes adolescentes está à vista de todos e a fama de vencedores nas competições começa a ser uma evidência. “Vais jogar com os azuis? Vais perder…”, dizem já os adversários.

Para conhecer o segredo deste sucesso subimos ao primeiro andar do edifício camarário junto ao Espaço J, onde funciona a sala de prática. É aqui que os jogadores se encontram às quartas-feiras à tarde, dia em que vários níveis de ensino não têm aulas. Além da camaradagem, o ambiente é de sentido de crescimento e evolução em conjunto. Conhecem a receita para ir vencendo jogo após jogo: calma, concentração no tabuleiro e muito respeito pelo adversário, mesmo que pareça frágil ou inexperiente.

“A Louzandamas é também uma escola de valores. O Jogo de Damas é muito mais do que um tabuleiro e “meia dúzia” de peças. Obriga-nos a sermos justos, pois se não o formos connosco e com o adversário o resultado decepcionar-nos-á”, referiu Filipe Paiva, que orienta os jogadores. Ele próprio foi praticante e chegou a vice-campeão nacional de juniores, tendo sido já ultrapassado pela primeira linha lousanense, composta por Afonso Sandinha, Eduardo Carvalho e Tiago Paiva, jovens que estão no projeto desde o primeiro minuto.

Continua na edição impressa do Trevim n.º 1370

 

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …