Está só à espera de licenciamento da Câmara Municipal da Lousã o parque de lazer de Foz de Arouce, a construir na margem esquerda do Rio Ceira, no terreno que acolhe as comemorações das invasões francesas.

Segundo Henrique Lourenço, presidente da União de Freguesias de Foz de Arouce e Casal de Ermio, trata-se de um investimento privado que inclui bar, um campo de jogos e zona verde. “Não é uma praia fluvial porque tal implicaria outro tipo de investimento e outra autorização”, frisou o autarca ao Trevim, acrescentando que a Junta irá apoiar este projeto com a criação de um parque de estacionamento na Estrada de Favais, nos terrenos que são de sua propriedade.

O investidor do parque de lazer é Rodolfo Correia, residente em Foz de Arouce, que adiou para depois da atribuição do licenciamento de obras a divulgação de mais pormenores sobre o projeto.

As obras do parque de lazer integram o plano de atividades para 2018 da Junta de Freguesia, documento aprovado por unanimidade na reunião da Assembleia de Freguesia, realizada dia 21, na delegação de Casal de Ermio. A reparação de mesas e churrasqueiras no parque de merendas de Casal de Ermio, o calcetamento do cemitério da Pegada, a construção de ossários e columbários (para depósito de urnas com cinzas após cremação) nos cemitérios da freguesia são outras obras previstas no plano que pretende, conforme é dito na introdução, seguir uma “lógica de sustentabilidade e serviço público”. O Plano Plurianual de Investimentos e o Orçamento para 2018 foram também aprovados por unanimidade. Importando, na receita e na despesa, em 109.448 euros, o orçamento tem como principais fontes de receita o Fundo de Financiamento das Freguesias, com transferências no valor de 59.301,64 euros, seguindo-se a Câmara Municipal da Lousã, com três acordos interadministrativos de delegação de competências no valor de 34.500 euros.

Continua na edição impressa do Trevim n.º 1369

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …