A Junta de Freguesia de Lousã e Vilarinho apresenta para 2018 um orçamento de 389.487 euros, menos 13. 597 euros que em 2017. Este facto não está relacionado com a diminuição de transferências correntes, até porque o Fundo de Financiamento de Freguesias é superior este ano. Deve-se, conforme refere o documento, a um cálculo de receitas com “realismo e rigor”.

“É uma proposta ambiciosa, um documento estruturante, que tem um quê de desafio”, referiu João Santos, deputado eleito pelo PS, cuja bancada votou favoravelmente o Plano de Atividades e o Orçamento, na reunião da Assembleia da União de Freguesias, no dia 27 de dezembro, no auditório da Biblioteca Municipal da Lousã. O representante do BE, Filipe Serra, também votou a favor, mas os três elementos do PSD votaram contra.

Só Paulo Magro, ex-candidato à esta Junta pelo PSD, pediu alguns esclarecimentos sobre o tipo de apoio dado à Associação de Desenvolvimento Cultural e Social dos Cinco Lugares (ADSCCL), afirmando também não considerar correta a associação da iniciativa “Noite Branca” com a requalificação da Rua do Comércio porque “não há requalificação nenhuma”.

O presidente da União de Freguesias, António Marçal, explicou que o apoio à ADSCCL é meramente “logístico”, estando até previstas obras nas instalações, para a as quais se pretende realizar uma candidatura a fundos de financiamento. Quanto ao evento “Noite Branca”, o autarca frisou que o que se pretende é uma “requalificação do uso” e “dar vida à rua”.

Continua na edição impressa do Trevim n.º 1369

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …