“Voice Master” não basta

‘Cartunes pelo Ramal’, no Museu Álvaro Viana de Lemos, foi exposição, livro e debate; tudo a pretexto dos 111 anos do início do comboio da Lousã e em torno da causa que pugna pelo seu regresso.

A exposição, com abordagem ao tema pela via satírica, teve ‘casa cheia’; mas o restante programa contou com um pouco menos de participantes. Contudo, seria a vertente ‘Debate’ aquilo que se nos afigurava como mais necessidade de participações. Porquê esta diminuição de adesão? Não sei; os presentes estavam com os minutos contados e sem mais tempo que não fosse o da contemplação dos desenhos emoldurados? Ou: Não se aperceberam de que o programa continuava na sala ao lado? Acredito mais no lusitano comodismo ‘não-te-rales’ de quem subestima a sua própria importância no funcionamento da sociedade, alimentando a convicção de que outros tratarão ‘do assunto’.

Este défice de sentimento gregário, esta demissão, esta constante delegação nos outros, é o maná de que se alimentam aqueles que, eleitos, desejam a nossa passividade, para mais à vontade nos comerem as papas na careca, impingindo-nos gato por lebre; se não por ‘simples’ ignorância deles, talvez por seu ‘puro’ sentido de negócio, se não venal, pelo menos economicista de poupança a médio prazo à custa da hipoteca dos interesses das populações, as de hoje e as do futuro.

Costuma dizer-se que “só cá faziam falta os que cá estão”, mas isso não é verdade. Os que vieram ao debate, cumpriram! Quem fez falta foram os que não vieram; ou os que, tendo vindo ao museu, se bastaram pela contemplação dos cartoons, não se tendo dado à maçada de engrossar a plateia do auditório. Acreditarão eles que lhes (nos) bastará a representatividade do edil, que não se esqueceu de lembrar António Costa, no passado fim-de-semana, da necessidade de uma solução para o Ramal da Lousã? Mas esta questão não se resolve com venerandas palavras de circunstância ao estilo ‘voice master’, palavras que o vento leva. Quando formos muitos, numa reivindicação de base, convicta e firme, então sim, estaremos mais próximos da solução que desejamos.

José Oliveira

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Carlos A. Sêco
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

Editorial – O Trevim em tempos de Covid-19

Ouvir Os tempos que atualmente vivemos tem sido tempos difíceis quer a nível das pessoas q…