A Câmara Municipal da Lousã apresentou uma proposta de orçamento, para 2018, que ronda os 16,2 milhões de euros. Uma verba 2,4 milhões de euros superior à apresentada em 2017, em virtude do aumento do montante de candidaturas aprovadas no âmbito do Portugal 2020 e Programa Valorizar durante o ano de 2017, que terão execução física e financeira no próximo ano. Apesar da previsão do aumento das despesas correntes, os documentos do Orçamento e das Grandes Opções do Plano (GOP) não mereceram a total confiança dos membros que integram a Assembleia Municipal, reunida dia 29, no auditório da Biblioteca Municipal da Lousã. PSD e BE abstiveram-se, enquanto PS e CDU votaram favoravelmente este ponto da ordem de trabalhos.

Ana Paula Sançana, do grupo municipal do PSD, saudou o executivo “pelo aumento de verbas para a proteção civil e prevenção de incêndios”, bem como pelo facto das funções económicas terem maior dotação para o próximo ano, nomeadamente a nível da agricultura e pescas, neste caso com um valor seis vezes maior. Apesar disso, discordâncias de base, nomeadamente a nível das taxas do IMI – Imposto Municipal sobre Imóveis (que se mantém nos 0,4%) e no preço da água, justificaram a abstenção da bancada.  “Continuamos com essas nossas divergências. Oneram os cidadãos com taxas e impostos que se calhar poderiam ser refletidas num valor menor”, salientou a vogal, frisando ainda que alguns contributos do PSD não foram contemplados no documento final de forma direta, como “dotar as IPSS com obras estratégicas” e ainda o apoio à natalidade, através da oferta de vales de compras no comércio tradicional.

Conceição Loureiro (CDU) deu um voto de confiança ao executivo municipal, aprovando o documento, embora, conforme a deputada explicou, fosse uma “aprovação com algumas reservas”. A verba destinada ao saneamento “é ainda residual para as necessidades”, disse. Neste capítulo, estão duas obras de relevância: a ligação da zona industrial do Alto Padrão ao emissário de ligação à ETAR da Póvoa (16.095 euros) e a ligação gravítica do Ribeiro Branco ao emissário da referida ETAR (Estação de Tratamento de Águas Residuais) (197. 179 euros), mas para a ampliação da rede o orçamento tem previsto apenas 5 mil euros.

PS elogia opções da Câmara Municipal

Os deputados do PS elogiaram o documento pelo facto de traduzir “investimento nas pessoas”. Dilene Gonçalves salientou alguns investimentos previstos, como as obras no Cineteatro da Lousã e a valorização do complexo da Senhora da Piedade. Luís Martins realçou o crescimento das transferências correntes, assim como associou o aumento das despesas com o pessoal ao descongelamento de salários e progressão nas carreiras. Para João Pedro Melo, este orçamento reflete “uma estratégia para a Lousã no rumo do desenvolvimento”.

Continua na edição impressa do Trevim nº 1367

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …