Pedro Júlio Malta

Em Março de 1970 o Trevim entrou em crise económica. Precisamente dois anos e cinco meses após a edição do número 1. Vários factores levaram a essa situação, mas o fundamental foi, efectivamente, o económico. Amadorismo a mais na administração do jornal, que levou a um saldo devedor com a Gráfica da Lousã, onde era feita a composição e impressão do Trevim, cuja subida era preciso evitar a todo o custo.

Por isso, numa tentativa de resolver o problema, o Trevim teve de suspender a publicação. Em 1 de Março de 1970 escrevi que só com a suspensão “é possível conquistar o tempo para a meditação, de que surja a reestruturação apetecida”. E mais adiante: “resta-nos acalentar o voto de Esperança de que esta suspensão não seja muito longa”. E não foi, conforme se vê adiante.

O caminho da nova fase tem início em 15 de Julho do mesmo ano, com o jornal a ser composto e impresso na Gráfica de Coimbra, a um preço mais razoável. Com o andar do tempo regularizou-se a situação devedora com a Gráfica da Lousã e encetou-se uma vida tão normal quanto possível.

É aqui que surge a colaboração inestimável do meu pai e do meu irmão António, que disponibilizaram o balcão da Casa Havanesa para a realização do expediente de pagamento de assinaturas e de anúncios. Foi uma situação que implicou muita entrega e foi muito trabalhosa. Doutro modo – ainda assim penso hoje – teria sido muito difícil a sobrevivência do jornal.

Depois de regularizada a transferência da propriedade do jornal para a Cooperativa Trevim, com escritura, entretanto lavrada no Cartório Notarial da Lousã, em 3 de Março de 1979, ficaram inscritos, na edição de 6 de Maio de 1981, alguns agradecimentos a amigos e entidades que tinham ajudado a firmar o jornal e um agradecimento particular nos seguintes termos: “Ainda que de natureza mais privada não posso esquecer a colaboração da Casa Havanesa, nas pessoas de meu pai e meu irmão António, sem cujo esforço ter-me-ia sido impossível fazer a administração do jornal em determinados momentos da sua existência”.

Neste tempo em que se vai comemorando o cinquentenário do Trevim não podia deixar de evocar, ainda que resumidamente, a situação de crise do jornal, iniciada em meados de 1970, para cuja solução foi determinante o esforço laborioso de João Poiares Malta, que “deu a cara” pelo jornal, contra “ventos e marés”, com coragem e desassombro, entre Julho de 1970 e início da década de 1980. Igualmente merece este tributo de homenagem a meu pai o meu irmão António Carlos Malta, pelos motivos que atrás invoquei.

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Carlos A. Sêco
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

Editorial – O Trevim em tempos de Covid-19

Ouvir Os tempos que atualmente vivemos tem sido tempos difíceis quer a nível das pessoas q…