1 de outubro de 1967. O Trevim começa a ser impresso na Gráfica da Lousã, a primeira de várias tipografias por onde passou e se fez também a história do jornal. O pai de José Luís Duarte, este último um dos fundadores do jornal, era dono da empresa. “Com a ligação que eu tinha ao jornal, começou-se a imprimir na Gráfica da Lousã. O meu pai, Joaquim Duarte, era o único proprietário e o jornal foi impresso lá até ao número 60”, conta-nos. Nesta altura, utilizava-se ainda a composição manual e a máquina de impressão então existente. “Era feito letra a letra de chumbo. Juntavam-se as letras numa galé e organizavam-se as linhas. Depois agrupavam-se os artigos para fazer uma página e ia para a máquina”, explica.

O processo era moroso e “demorava pelo menos uma semana para fazer o jornal”. “Imprimiam-se as provas e enviavam-se para a Comissão de Censura”, onde “cortavam o que não lhes convinha”, recorda, acrescentando que, depois, se tinha que acrescentar artigos ou anúncios no lugar onde tinham sido feitos os cortes. Para a composição manual era preciso “três dias no mínimo”, mas “depois de entrar na máquina era rápido”. Em março de 1970, dificuldades financeiras suspenderam a edição do jornal, que regressaria em setembro do mesmo ano, passando a ser impresso na Gráfica de Coimbra, pertencente à Diocese, já com a composição mecânica, linha a linha, em chumbo, utilizando máquinas linotipo. Esta empresa imprimia, na altura, a totalidade (ou quase) dos jornais católicos do distrito e mais uns poucos não confessionais, caso do Trevim. Fazia também a produção de livros, entre os quais, em exclusivo, os do consagrado escritor e poeta Miguel Torga, edição de autor.

Continua na edição impressa do Trevim nº 1364

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Jornal Trevim
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

Lousanense aposta em jogadores da “nossa terra”

O CDL não entra em euforias, mas promete “fazer o melhor possível”. O treinador do plantel…