Há cerca de 25 anos que o mesmo convívio tem vindo a repetir-se, embora o ensino técnico na Lousã tenha já 51 anos. “Há meio século, o ensino técnico e secundário resumia-se a Coimbra e aqui foi, através do Dr. Carlos Antero e da esposa, que foi criada uma secção da Escola Avelar Brotero, que congregava alunos de Miranda, Arganil e Góis”, lembra Carlos Lopes, membro da comissão organizadora do encontro deste ano, antigo estudante que vinha do concelho de Miranda do Corvo.
Todos os anos a lista de ex-alunos vai aumentando, e este ano foram acrescentando mais 25 nomes, através de contactos verbais.

Escola Secundária da Lousã deverá ter como patrono professor Carlos Antero
A ideia de fazer uma homenagem ao professor Carlos Antero já surgiu há alguns anos, entre os seus antigos alunos. Inicialmente, a intenção era criar um topónimo, mas no seio da Comissão de Toponímia surgiu a proposta de atribuir o seu nome como patrono da Escola Secundária, já que foi ele que prolongou o ensino técnico na Lousã e eram poucos aqueles que tinham condições financeiras para frequentar o ensino liceal, em Coimbra. “A proposta já foi aprovada na Comissão de Toponímia, agora os novos elementos que tomarem posse devem desenvolver o processo, contactando novamente a direção da escola, o Ministério da Educação para depois ser aprovada em sessão de Câmara”, explicou-nos Conceição Loureiro, da organização do convívio. Paralelamente, continua a recolha de assinaturas junto dos antigos alunos e dos lousanenses com vista à realização da homenagem. Embora proibido pelos médicos de sair de casa, Carlos Antero veio de Coimbra à Lousã participar neste convívio.

 

Continua na edição impressa do Trevim n.º 1364

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Márcio Carinhas
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

ADFP quer móveis trazidos por refugiados sírios

Ouvir Após os 18 meses em que esteve acolhida pela Fundação ADFP, de Miranda do Corvo, no …