O incêndio que teve início em Pedrogão Grande já causou a morte a 64 pessoas e feriu mais de 150.  A Lousã também se mostrou solidária com as vítimas da tragédia

“Há aqui gente desesperada porque perdeu tudo, mas também há muita gente com muita vontade de ajudar”, sintetizou Tito Correia, médico gastroenterologista lousanense que se voluntariou para o serviço hospitalar da Cruz Vermelha Portuguesa situado no pavilhão gimnodesportivo de Figueiró dos Vinhos. Prontificou-se para dar apoio à Cruz Vermelha, que está a operar no terreno no apoio às vítimas do incêndio que há vários dias está a reduzir a cinzas a área florestal e também urbana dos concelhos de Pedrógão Grande, Castanheira de Pêra e Sertã. Esta é uma catástrofe que tirou a vida a 64 pessoas, a maioria no concelho de Pedrogão Grande, a que se junta mais de centena e meio de feridos, alguns em estado grave naquela que é a maior tragédia no nosso país na nossa história contemporânea (…)

Incêndio teve início em Pedrogão e alastrou-se a vários concelhos

Leia estas e outras notícias na edição 1355, de 22 de junho

Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais artigos por Joaquim Seco
Carregar mais artigos em Arquivo
Secção de comentários fechada.

Veja também

De Teerão a Pequim – um diário de bordo

Ouvir Sadjat, uma personificação do Irão Sadjat é um jovem de 31 anos de idade, cheio de v…